Patrícia Bulegon Brondani
  • Retorno de atividades didáticas na forma não presencial

    Publicado em 01/09/2020 às 10:35

    A Universidade Federal de Santa Catarina reiniciou no dia 31 de Agosto de 2020 o primeiro semestre letivo de 2020. As atividades didáticas estão sendo realizadas de maneira não presencial.

    A plataforma MOODLE está sendo utilizada como base para a organização e o desempenho dessas atividades. Além disso, ferramentas do Google e da Microsoft estão à disposição de estudantes e professores. Para mais detalhes sobre essas ferramentas o link https://blumenau.ufsc.br/2020/08/31/google-suite-e-office-365-disponiveis-para-estudantes-e-servidores-da-ufsc/ pode ser acessado.

     


  • Vamos nos desafiar?!(2)

    Publicado em 19/04/2020 às 12:14

    (1) Identifique entre os compostos abaixo aqueles que são conjugados, mesmo os que tem somente partes conjugadas. Marques as partes que são conjugadas para os compostos que possuem somente uma porção conjugada.

    (2) Desenhe as estruturas de ressonância e o híbrido de ressonância para as moléculas que você marcou como conjugadas.


  • Butantan vai desenvolver em laboratório anticorpos para tratamento de COVID-19

    Publicado em 15/04/2020 às 10:51

    Por André Julião | Agência FAPESP

    Um grupo de pesquisadores do Instituto Butantan trabalha no desenvolvimento de um produto composto por anticorpos para combater o novo coronavírus (SARS-CoV-2). Os anticorpos monoclonais neutralizantes, como são chamados, serão selecionados de células de defesa (células B) do sangue de pessoas que se curaram da COVID-19. A ideia é encontrar uma ou mais dessas proteínas com a capacidade de se ligar ao vírus com eficiência e neutralizá-lo. As moléculas mais promissoras poderão, então, ser produzidas em larga escala e usadas no tratamento da doença.

    Coordenado pela pesquisadora Ana Maria Moro  e apoiado pela FAPESP, o projeto utiliza uma plataforma criada para o desenvolvimento de anticorpos monoclonais (mAbs) humanos para diferentes doenças, que está em fase avançada para obtenção de anticorpos monoclonais para o tratamento de zika e tétano.

    “Começamos a desenvolver essa plataforma em 2012 com os mAbs humanos antitetânicos, com apoio da FAPESP, e identificamos uma composição de três anticorpos que neutralizam a toxina do tétano. Depois, estabelecemos um acordo com a Universidade Rockefeller, nos Estados Unidos, sob coordenação de Michel Nussenzweig, para gerar linhagens celulares para mAbs antizika, que foram identificados no seu laboratório durante a epidemia da doença, em 2015. São dois mAbs neutralizantes que poderão ser usados na proteção de gestantes em caso de retorno da circulação desse vírus. É um processo longo, mas já estamos começando o trabalho com o novo coronavírus”, disse Moro à Agência FAPESP.

    Para saber mais acesse: http://agencia.fapesp.br/butantan-vai-desenvolver-em-laboratorio-anticorpos-para-tratamento-de-covid-19/32964/


  • Vamos nos desafiar?!(1)

    Publicado em 30/03/2020 às 14:00

    Quais dos compostos abaixo são aromáticos, tendo como base a regra dos orbitais moleculares de Huckel?

     

     


  • LED terapia no rejuvenescimento da pele e outras aplicações

    Publicado em 25/03/2020 às 11:07

    O envelhecimento da pele (intrínseco ou extrínseco) está associado com mudanças morfológicas. Já é relatado que a síntese de colágeno é reduzida em peles com maior envelhecimento. Portanto, uma possível estratégia para tratar e prevenir o envelhecimento da pele é a restauração da deficiência de colágeno através da retomada de sua síntese. (Fisher, G. J. et al. Arch Dermatol. Vol. 138, 1462-1470, 2002. Barolet, D. Seminars in Cutaneous Medicine and Surgery. 227-238, 2008)

    Já é de conhecimento do mundo científico que a LED (light-emitting diode) terapia, que é um tratamento não invasivo, pode desencadear reações fotobioquímicas intracelulares. Vários artigos trazem evidências da efetividade da LED terapia para o rejuvenescimento da pele. Por exemplo, uma melhora na aparência da pele em indivíduos com fotoenvelhecimento foi documentada entre 2004 e 2007 por diversos autores que aplicaram LED amarelo (590 nm) ou vermelho (630 nm, 633 nm). (Barolet, D. et al. Journal of Investigative Dermatology. Vol. 129, 2751-2759, 2009) Um estudo bastante interessante usou voluntários em tratamentos duas vezes por semanas durante 4 semanas, aplicando LED vermelho (sozinho ou em combinação com infravermelho) ou nada. Os autores observaram um aumento significante na quantidade de colágeno na pele de quem utilizou LED terapia. Outros estudos posteriores corroboram com esses resultados. (Lee S. Y. et al. Journal of Photochemistry and Photobiology B: Biology, Vol. 88, 51-67, 2007. Barolet, D. et al. Journal of Investigative Dermatology. Vol. 129, 2751-2759, 2009).

    A LED terapia também já foi testada, com resultados bastante interessantes, para recuperação da pele depois de cirurgias (Martignago, C. C. S. et al. Lasers in Medical Science. Vol. 35, 157-164, 2020) ou recuperação de lesões em tendões, por exemplo ( Nascimento, L. D. S. et al. Hindawi the science World Journal. 1-7, 2019).

    Esses dados fazem com que a LED terapia já esteja sendo utilizada por médicos em diferentes tratamentos com resultados satisfatórios.


  • Sequenciamento identifica genomas diferentes nos dois casos brasileiros de coronavírus

    Publicado em 06/03/2020 às 13:04

    Análise sugere que já está ocorrendo transmissão interna de covid-19 nos países europeus. Pesquisadores italianos pedem colaboração de equipe brasileira.

    Leia a matéria completa em: https://jornal.usp.br/ciencias/ciencias-da-saude/sequenciamento-identifica-genomas-diferentes-nos-dois-casos-brasileiros-de-coronavirus/


  • Protetor solar: não é tão simples assim

    Publicado em 30/07/2019 às 11:24

    A página Questão de Ciência traz alguns artigos escritos por professores de Universidades Brasileiras. No dia 20 de Julho de 2019, foi publicado um artigo sobre os protetores solares. O texto é de autoria de Paulo Newton Tonolli e Maurício S. Baptista.

    O texto fala que, apesar do encorajamento ao uso irrestrito de protetores solares, as taxas mundiais de incidência de Câncer de pele não tem diminuído. O texto cita ainda que muitos pesquisadores apontam uma ausência de embasamento científico das atuais diretrizes de fotoproteção.

    Ficou curioso sobre o assunto e quer saber mais? Acesse o link: http://www.revistaquestaodeciencia.com.br/artigo/2019/07/20/protetor-solar-nao-e-tao-simples-quanto-parece


  • Os novos designers de proteínas

    Publicado em 26/07/2019 às 15:53

    A engenharia genética de proteínas avançou enormemente nos últimos anos. Ela se preocupa em modificar proteínas de origem natural com o objetivo de modificar a atividade, a estabilidade, a aceitação de substratos,… Por ter vasta aplicabilidade é um ramo da biotecnologia bastante consolidado e em constante avanço.

    E se no lugar de modificar uma proteína existente se criasse uma proteína do zero? Foi isso que pensaram os pesquisadores do The Baker Lab. 

    O chamado de novo protein design, apesar de muito mais difícil do que as modificações baseadas em estrutura já existente, pode oferecer vantagens. As proteínas naturais podem ser modificadas, mas isso pode causar instabilidade na estrutura global da proteína em muitos casos. No entanto, fazer ou montar uma proteína do zero pode levar a estruturas mais tolerantes às mudanças. Além disso, podem ser montadas proteínas com atividade desconhecidas naturalmente ao se utilizar cofatores e aminoácidos que não fazem parte do portfólio padrão.

     

    Para mais detalhes dessa interessante empreitada científica leia: https://www-nature.ez46.periodicos.capes.gov.br/articles/d41586-019-02251-x?utm_source=twitter&utm_medium=social&utm_content=organic&utm_campaign=NGMT_2_JNC_Nature


  • 26 Encontro de Química da Região Sul: SBQ Sul 2019

    Publicado em 26/07/2019 às 15:19

    Os Encontros de Química da Região Sul são encontros anuais e organizados pelas secretarias regionais dos estados do RS, SC e PR da Sociedade Brasileira de Química. Esses encontros fomentam debates e buscam soluções para problemas em que a Química têm o papel fundamental nas diferentes interfaces do conhecimento, apresentando a sua importância para o desenvolvimento do bem-estar social. Além disso, os encontros têm por objetivo promover o intercâmbio técnico-científico entre professores, pesquisadores e alunos de instituições de ensino e pesquisa.

    Em 2019, a 26ª edição da SBQ Sul será realizada na cidade de Caxias do Sul, na Serra Gaúcha, entre os dias 20 e 22 de novembro. No evento cientistas renomados da nossa região, pesquisadores e estudantes poderão discutir as suas pesquisas nas mais diferentes áreas da Química e ciências correlatas. A rica programação do evento contará com palestras, minicursos, apresentação de trabalhos científicos em sessões de pôsteres, apresentações orais, workshop em Educação em Química e debates sobre o empreendedorismo em Química.

    O lema da SBQ Sul 2019 é Átomos, moléculas, descobertas, desafios, o nosso futuro… em celebração ao Ano Internacional da Tabela Periódica dos Elementos Químicos, proclamada pela UNESCO e celebrada por sociedades científicas em todo o mundo. Esse lema remete ao papel que o conhecimento científico acumulado ao longo dos anos, e representada de forma icônica pela Tabela Periódica dos Elementos, leva a descobertas essenciais para o desenvolvimento da sociedade, mas que ao mesmo passo, traz novos desafios em que a Química é novamente essencial para superá-los, almejando sempre um futuro promissor.

    Veja mais em: https://www.sbqsul2019.com.br/?fbclid=IwAR0XyJH02NfgTDPLO4ehRowTVCjEDMSSMIRRHZDGg21XsI5GOFhwcUOQTG8